Categorias:

Outubro Rosa: prevenção contra o câncer de mama

Muitas vezes, o câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais, o que aumenta as chances de cura

Outubro começou e o rosa tomou conta das cidades do mundo – até o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, ganhou iluminação nova durante este mês. O objetivo é ressaltar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

O movimento Outubro Rosa começou em 1990, quando a Fundação Susan G. Komen for the Cure realizou a Corrida pela Cura e distribuiu laços rosas aos participantes para conscientizar a população sobre a importância da prevenção contra o câncer de mama. Em pouco tempo, outras cidades começaram a fazer ações isoladas e distribuíam os laços em locais públicos e eventos até que o Congresso Americano instituiu o mês de outubro como o mês nacional de prevenção contra o câncer de mama no país.

Hoje, o mundo abraça essa causa já que o câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres, depois do câncer de pele não melanoma. O INCA (Instituto Nacional de Câncer) estima quase 58 mil casos novos da doença por ano no Brasil (2016). Existem diversos tipos de câncer de mama, alguns evoluem rapidamente, outros, não, mas a maioria dos casos tem bom prognóstico, principalmente se diagnosticado precocemente.

Detecção precoce do câncer de mama

Na maioria dos casos, o câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais, o que aumenta as chances de cura.

Muitas mulheres descobrem a doença a partir da observação casual de alterações na mama, então é importante que você observe e faça a autopalpação das mamas sempre – pode ser no banho, quando for trocar de roupa ou em qualquer outra situação. Diferentemente de como foi preconizado nos anos 80, não é necessário uma técnica específica para se autoexaminar ou periodicidade definida. Por isso, fique atenta a qualquer alteração na mama e marque uma consulta com seu ginecologista se notar alguma mudança.

Consulte um ginecologista pelo menos uma vez por ano para realizar exames de rotina. Exames anuais de ultrassom de mama podem detectar o tumor precocemente e, após os 40 anos, a mamografia é recomendada a cada dois anos para o rastreamento da doença.

Quem tem risco elevado para o câncer de mama deve conversar com o médico para definir uma conduta a seguir. No próximo post iremos falar sobre os fatores que aumentam o risco para a doença. Confira!

© 2018 Dr Gabriel Monteiro. Todos os direitos reservados.